quarta-feira, 30 de março de 2011

Samba

Não fale o que não for imprescindível
Não cale a frase que não seja vã
Declare que o amor é impossível
Mas guarde outra palavra pra amanhã

Por hora, vem ver a rosa na janela
Ver a flor da primavera, da aquarela, deixa ser
A delicada nossa melodia
Que eu canto com os olhos pra você

Deixe em segredo esse meu desassossego
Não interessa a mais ninguém
Nem mesmo a mim, nem a você
Entregue a pluma, a pétala, ao vento
Que o tempo e o sentimento
Vão tratar de se entender
Deslize essa sandália
Envolva-se no samba
Que eu canto em silêncio pra você