terça-feira, 6 de julho de 2010

Torre H


Deu na Folha de SP.Dois artistas holandeses estão exumando um importante cadáver da arquitetura brasileira: o projeto da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Uma década após Brasília, o projeto urbano foi realizado novamente por Lúcio Costa, com edifícios de Niemeyer e jardins de Burle Marx. Confesso que não conheço muito bem essa história, mas parafraseando Lúcio Costa, "veio o mau destino e fez da Barra o que quis".

De qualquer forma, esses holandeses encontraram um cadáver que jaz a céu aberto no bairro nobre carioca: a Torre H, uma das 70 torres projetadas por Niemeyer para o bairro, das quais 4 saíram do papel, 3 estão de pé e duas são habitadas. A Torre H nunca foi concluída e está a mais de 40 anos abandonada. Segundo a reportagem, ela nem consta no catálogo das obras de Niemeyer.

A idéia é fazer um livro remontando a história do edifício e das pessoas por trás do concreto: construtores, arquitetos, engenheiros, proprietários dos apartamentos, incluindo uma versão virtual do edifício a partir dos projetos originais. Muito interessante.

Vasculhando o blog desse projeto, encontrei também imagens feitas do centro de São Paulo. É sempre legal observar o olhar do estrangeiro sobre as cenas que estamos habituados a ver. Eu que me encantei com um guarda-corpo de praça no centro de Istambul sei bem como é esse olhar do turista, o olhar novo a quem tudo encanta e tudo interessa. Agora são eles que vêm olhar o centro de SP. Legal.

Artistas nas ruínas Torre H