sexta-feira, 7 de maio de 2010

Urgência


Urgência, me perdoe a pressa
Não peça pra eu tentar me comportar
Saudade me desassossega
Me arde o coração ver meu amor noutro lugar
Paciência, sevo desafio
Martírio que eu não sei como evitar

Se passa no mundo um segundo
E essa febre insiste em não se acomodar
Eu encho meu peito de ausência
Esse dia, essa hora, esse tempo, esse mar
De tanta e tamanha saudade
De tanta e tamanha vontade de estar
Perdoa essa impaciência
Mas não há urgência que saiba esperar