terça-feira, 17 de novembro de 2009

Sem-gracinha


A nêga diz que não gosta do meu samba
Pra quem é bamba, é uma grande humilhação
De que adiantam os versos que eu faço pra ela
Se ela não dá trela, se ela não dá atenção?

A nêga diz que o meu samba é sem-gracinha
Que ela preferia que eu cantasse um pancadão
A nêga até que é bem intencionada,
Ela não entende nada
Mas tem um bom coração

Ela gosta de Drum'bass
Ela gosta de Latino
Ela gosta de Psytrance
De Camargo e Camarguinho
Não conhece Pixinguinha
Não sabe quem foi Noel
Ela acha que Cartola
É um tipo de chapéu...

A nêga diz que o meu samba é coisa antiga
Que a saída, é uma modernização
Ligou o meu cavaquinho na tomada
E uma guitarra no lugar do violão

A nêga diz que o meu samba é esquisito
Que acha bonito, mas não toca no Faustão
A nêga até que não fala por maldade
Nem tampouco má vontade
O mau gosto é que é o cão

Ela gosta de Drum'bass
Ela gosta de Latino
Ela gosta de Psytrance
De Camargo e Camarguinho
Não conhece Pixinguinha
Não sabe quem foi Noel
Ela acha que Cartola
É um tipo de chapéu...