sábado, 28 de novembro de 2009

Ora bolas...



Dá uma olhada nesse teste AQUI no UOL. Descubra em que Copa do Mundo foi usada essa bola. Seria bem difícil se nela não estivesse escrito: OFICIAL WORLD CUP 1974.

Bingo!

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Quintan(ilh)a


Que fazem as pessoas que no caso
De haver uma tristeza infinita
Não podem redimir-se por um traço
E nem por um versinho de uma linha?

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Quintan(ilh)a

Minha solidão é tanta
Que, pouco convencional
Preencho o vazio da cama
Deitando na diagonal

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Bons lugares para atentados terroristas II

Retirada do UOL

"Histórias e Canções", especial musical de Roberto Justus, será exibido no dia 23 de dezembro no SBT.No programa, todo captado em HD, Justus recebe Marina Elali, Roupa Nova, Agnaldo Rayol e Família Lima.A direção é de Paulo Franco e direção musical de Afonso Nigro.

Mas que presentão de Natal hein? Uuuhhh...

Extraterrestres! Levem-me por favor!!!

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Diálogos

- Professor, é verdade que você vai pra Grécia?

- É verdade. Turquia e Grécia.

- E vai fazer o que lá?






- Vou só conferir se o espetinho grego de lá é igual ao da praça da Sé.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Suspeito

Frase do prof. João Manuel Cardoso, no Canal Livre de ontem:

"Em instituições muito burocratizadas, qualquer um que proponha mudanças é visto como suspeito"

domingo, 22 de novembro de 2009

Indiana Jones

E essa semana devo confirmar uma viagem das boas para esse janeiro. Turquia e Grécia, em companhia da Érica, uma amiga antiga de Londrina que também tem saído pra viajar por aí. Na verdade ela que estava planejando a viagem e eu apenas topei a idéia.

Santa Sofia e Parthenon. Te cuidem!

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Leite Derramado

Eita livrinho meio encruado. Sou tão fã do Chico Buarque cantor que acabo criando muita expectativa quanto aos livros. Nessa, não sei se a minha expectativa é muita ou se os livros realmente não são tão bons.

Leite Derramado até que não é o último da lista do Chico. Não há dúvida de que não é. Pessoalmente li, Estorvo, Budapeste e Leite Derramado, e talvez Estorvo fique um pouquinho atrás e Budapeste um pouquinho na frente.

Leite Derramado fica no meio. É o depoimento de um velho de família nobre, porém falida, a beira da morte num leito de hospital, contando sua vida para as enfermeiras. Misturando sua história com delírios, o personagem não consegue distinguir coisas que realmente aconteceram, coisas que ele acha que aconteceram e coisas que ele gostaria que acontecessem. A gente fica sem saber muito bem o que é verdade o que é alucinação na delirante fala de Eulálio Assumpção.

O ponto forte, como sempre, são as frases. No meio do texto confuso o Chico solta pensamentos e aforismos desses que dá vontade de anotar no caderno. É o lado poeta aflorando. É o lado que diz numa frase o mesmo que o escritor diz em um capítulo.

Enfim, é sempre Chico Buarque. Se o Chico escreve, a gente lê.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Ownbudsman

Vi uma pesquisa que dizia da mudança do perfil das ferramentas da internet. Com o twitter, as pessoas estão falando na internet sobre coisas cada vez mais cotidianas. Os blogs diminuíram e só são usados ainda para textos maiores e mais elaborados que não cabem em poucos caracteres. O perfil do blogueiro de hoje é de um homem de 18 a 45 anos, com curso superior. Dizia ainda que os blogs deixaram de ser diário de adolescente e passaram a ser coisa de gente grande.

ufa...

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Sem-gracinha


A nêga diz que não gosta do meu samba
Pra quem é bamba, é uma grande humilhação
De que adiantam os versos que eu faço pra ela
Se ela não dá trela, se ela não dá atenção?

A nêga diz que o meu samba é sem-gracinha
Que ela preferia que eu cantasse um pancadão
A nêga até que é bem intencionada,
Ela não entende nada
Mas tem um bom coração

Ela gosta de Drum'bass
Ela gosta de Latino
Ela gosta de Psytrance
De Camargo e Camarguinho
Não conhece Pixinguinha
Não sabe quem foi Noel
Ela acha que Cartola
É um tipo de chapéu...

A nêga diz que o meu samba é coisa antiga
Que a saída, é uma modernização
Ligou o meu cavaquinho na tomada
E uma guitarra no lugar do violão

A nêga diz que o meu samba é esquisito
Que acha bonito, mas não toca no Faustão
A nêga até que não fala por maldade
Nem tampouco má vontade
O mau gosto é que é o cão

Ela gosta de Drum'bass
Ela gosta de Latino
Ela gosta de Psytrance
De Camargo e Camarguinho
Não conhece Pixinguinha
Não sabe quem foi Noel
Ela acha que Cartola
É um tipo de chapéu...


domingo, 15 de novembro de 2009

Eleições 89 II

Continua equicelãnt a retrospectiva do UOL sobre as eleições de 1989. Todos os dias tem reportagens novas. Hoje tem uma entrevista com o Collor.

Descobri até que aquele Jornal Nacional que comentei é histórico e gerou muitos protestos na época.

Depois vou procurar no youtube...

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Aniversário

Minha mãe disse que o dia hoje está bonito como o dia em que eu nasci.

Natural que toda a mãe ache que o dia em que o filho nasceu é bonito, mas mesmo assim fiquei feliz.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Eleições 1989



























Muito legal o especial do UOL sobre as eleições de 1989 - clique aqui - sem dúvida a eleição mais bizarra da história do Brasil. Depois dos quase 30 anos de ditadura militar, parece que o pessoal se esqueceu de como se fazia uma eleição, um debate... O resultado era Silvio Santos candidato a presidente e sem o nome na cédula porque a candidatura havia sido registrada com atraso (e foi cassada antes da eleição) e uma leva enorme de peculiares candidatos nanicos como o Marronzinho e o dr. Meu-nome-é-Enéas Carneiro. E a musiquinha do Lula-lá? E o "juntos chegaremos lá" do Affif? Todo o mundo queria ir pra "lá"... Ganhou o Collor e o povo foi pra rua mandá-lo para um outro "lá", mas ele não foi e continua no Senado até hoje.

Esses dias estava digitalizando umas antigas fitas cassetes que tinha em casa. Uns programas velhos. Num deles a fita continuou gravando e pegou um pedaço do jornal nacional bem durante o segundo turno entre Lula e Collor, logo após um debate. A proteção da Globo ao Collor era tão descarada que juro que fiquei com vergonha alheia quando assisti. A gente não lembra dessas coisas... Preciso colocar esse vídeo no youtube...


quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Clonagem

O presidente viajando pra cima e pra baixo, casos de corrupção, juros altos para segurar a inflação, Sarney reinando no senado e agora APAGÃO????

O governo Lula tá cada vez mais parecido com o Fernando Henrique...

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Listinha

O FUTEBOL EXPLICA O BRASIL

De esporte de elite a entretenimento das massas; do amadorismo ao profissionalismo; dos salários modestos à globalização-exportação; o uso político do esporte e o uso da política pelo esporte.

Quando se estuda futebol no Brasil, não se fala "só" de um jogo, mas da própria história do país, emaranhada com a evolução nas quatro linhas do campo.

O jornalista e historiador Marcos Guterman mostra a trajetória do futebol no país desde sua chegada da Inglaterra, a formação dos primeiros clubes, os craques, os grandes fracassos, as peculiaridades. O livro narra os acontecimentos do último século no Brasil, mas principalmente mostra como política, economia, sociedade e futebol estão muito mais associados do que costumamos imaginar. Assim, o esporte mais popular do mundo, se lido corretamente, consegue explicar o Brasil.

Só pra anotar na listinha do "comprar".

ps: "Comprar" ou "chorar" né? Afinal, fazer aniversário tem que ter alguma vantagem... Já chorei...

domingo, 8 de novembro de 2009

36'20''

Hoje de manhã corri 6 km (6K, como diria o Globo Esporte) na Corrida da Longevidade, um evento do Bradesco. Foi aqui no Parque do Povo mesmo, o lugar onde corro normalmente. Quase como o Flamengo jogando no Maracanã. Fiz um tempo melhor do que ano passado. Foram 36'20'' e pelo que me lembro fiz mais de 40 minutos anos passado, mas também não tenho certeza. De qualquer modo, não serve de comparação porque o percurso mudou um pouco, eu tomei um gel de carboidratos no meio da prova e dessa vez tivemos um tempo nublado e garoento em vez do Sol de rachar coquinho que estava no ano passado.

O engraçado é que no ano passado, da metade pra frente da prova emparelhei com um japonês. Um senhor já, de uns 50 anos. Vínhamos na mesma velocidade até uma última subida que havia no percurso antigo e que eu fiquei pra trás.

E não é que esse ano eu emparelho com o mesmo japonês? Viemos juntos mais ou menos o mesmo trecho, mas dessa vez fui eu que disparei na subida final. Não significa que eu esteja melhor, acho que ele é que estava pior. Além disso eu tomei o meu gel milagroso! Daí é nitro no motor.

Ah! Também assim como ano passado o primeiro queniano chegou quando eu não estava nem na metade da prova. Com 16 minutos eu já ouvi o tema da vitória tocando lá longe, quer dizer, já tinha africano chegando. Me lembrei da São Silvestre do ano passado. Quando cheguei na Paulista os africanos ja tinham ganho a prova, recebido o prêmio e o pódio já tinha sido até desmontado. Quem disse que a chegada da São Silvestre não é mais a meia-noite da virada do ano? A minha quase que foi...

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Desenha-me um carneiro?

Neste final de semana fui ao Ibirapuera e dei com a cara na porta da Bienal de Arquitetura que ainda não estava aberta. Para não perder viagem fui à Oca e ao MAM, ali pertinho. Na Oca havia uma exposição sobre o Pequeno Príncipe. Era uma exposição infantil, mas como me interessava muito saber de que maneira eles estavam contando essa história, fui conferir.

O resultando não empolgou. Fiquei até meio decepcionado. A cenografia era um pouco simplista, um pouco óbvia demais. Haviam algumas projeções horríveis e mal feitas. Apenas uma delas tinha interatividade: uma projeção do espaço sideral, um desenho à moda do Exupèry, e quando uma criança passava pela projeção segurando uma esfera iluminada surgiam pássaros que levavam a criança a viajar entre os planetas da mesma forma como viajava o Pequeno Príncipe. Era bonito.

Em relação ao conteúdo, ficou meio perdido pela pobreza da apresentação. As informações mais interessantes não eram sobre o livro, mas sobre o Saint-Exupèry, sobre a vida do autor e sobre sua passagem pela América do Sul, incluindo o Brasil, como agente do correio aéreo francês (hoje Air France).

Mas a minha maior decepção veio de uma boa idéia mal aproveitada. Uma caixa branca formando uma salinha. Na parede branca revestida com um tipo de fórmica onde estava escrito: "Desenha-me um carneiro?" E havia giz para que a gente desenhasse um carneiro para o Pequeno Príncipe. Quem leu o livro lembra desse trecho em que o Pequeno Príincipe aborda o piloto de avião acidentado (o próprio Exupèry) no deserto pedindo que ele lhe desenhe um carneiro para que ele coma o baobá antes que ele invada o planetinha onde vive. E como é difícil para um adulto atender a esse pedido simples, desenhar um carneiro. Mas para uma criança é fácil. Ou era...

Quando entrei na salinha imaginei encontrar uma porção de carneiros desenhados pelas crianças. Mas para minha surpresa, encontrei muito poucos, 4 ou 5. De resto eram palavras, letras, nomes. Um "vai corinthians". Letras, letras, palavras. Um menininho nas costas do pai. Desenha-me um carneiro? E o pai: pega o giz, vai lá filho, escreve "Felipe" lá em cima.

E eis que temos menos um pequeno príncipe no mundo.

Quase lá

Hoje devo resolver meu problema de internet (ainda estou sem internet em casa), e daí voltamos a nossa programação normal.