domingo, 30 de agosto de 2009

Eleições

O ruim de ser eleitor no Japão é que "coloccar caras diferentes no congresso" é realmente só modo de dizer....


sábado, 29 de agosto de 2009

MSN

Uma vez eu escrevi assim no meu perfil do orkut: "Eu queria escrever aqui uma frase bonita pra vc ver como eu sou uma pessoa interessante". E é isso aí, num ditado adaptado, "Diga-me a frase do teu MSN e te direi quem és." Coisas da modernidade.

Estava pensando nisso e olhando as frases dos meus contatos no MSN. Tem pra todos os tipos e gostos. Vejamos...

Desabafos dos que trabalham demais - "finde finalmente"
Desabafos de quem trabalha de menos - "preciso urgente de um trampo! quem souber me avise"

Estilo Xuxa - "tudo de bem e de bom"
Estilo Datena - "em 30% dos acidentes de carro o motorista havia ingerido álcool...e em 70% o motorista bebeu água e se fudeu!! bora bebe gente!!"

Geografia 1 - "De Volta a Prudente"
Geografa 2 - "Ainda em Ponta Porã"

Parachoque de caminhão - "O único lugar que sucesso vem antes de trabalho é no dicionário..."
Cartaz pro Galvão - "o eu aqui"

Cronológico 1 - "Tá chegando a hora"
Cronológico 2 - "5 years"

Música do Roberto Carlos - "Daqui para frente, tudo vai ser diferente!!"
Música do Oswaldo Montenegro - "Porque metade de mim é a lembrança do que fui, A outra metade eu não sei..."

e finalmente...

Frases com um sentido oculto - "Mas em um momento se vive uma vida..."
Frases claramente sem nenhum sentido - "Estourou estalinho no Stallone"

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Julgamento

Neste momento o supremo tribunal federal está julgando o ex-ministro Antônio Palocci pelo caso da quebra de sigilo do caseiro. É possível ver ao vivo o Gilmar "Vossa Excelência Não Tem Moral" Mendes, relator do caso, lendo o processo no site do UOL. Pelo ritmo, imagino que o caso vai looooooonnnnge. Mas vou tomando algumas notas pra vc que não pôde assistir...

15:45h : Gilmar Mendes lendo o texto com cara de "ai que saco".

15:52h : Não to vendo o Joaquim "Não Sou Capanga de Vossa Escelência" Barbosa na mesa.

16:05h : Um dia eu vou comprar uma dessas cadeiras como as dos ministros do STF...

16:50h : Intervalinho para o lanche.

17:05h : Voltamos do intervalo. A defesa fala e, ao que tudo indica, a canonização de Palocci deve sair até o fim do dia, assinada pelo papa.

17:08h : O advogado de defesa diz que Palocci está sendo perseguido porque fascina à imprensa a história de David e Golias, o pobre indigente (o caseiro) contra o poderoso (Palocci), e que "os ricos também merecem justiça". Estou me sentindo na Suécia...

17:11h : Ô loco. O advogado de defesa disse que se a PF costumasse espionar e grampear pessoas ele desconfiaria dela, mas que não é o caso. Show de ironia e de puxação de saco do Gilmar Mendes que disse ter sido grampeado tempos atrás, naquele rolo do Protógenes. Jogou pra galera...

17:13h : Começa a defesa de Jorge Mattoso. O advogado tem cara de comentarista de futebol.

17:32h : Bah, não poerei continuar acompanhando. Mas depois do "os ricos também merecem justiça", já ganhei o dia.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Vinícius de Matisse

Vale uma notinha a inédita publicação, como ilustração da nova edição de "Para uma Menina com uma Flor", do único quadro pintado por Vinícius de Moraes (ao menos o único conhecido...). Trata-se de um retrato de Nelita, sua quinta esposa (de um total de 9).

Olhando assim me lembrou Matisse, especialmente pelo tema interior, pela mesinha e pelo ponto de vista mais alto, olhando de cima pra baixo. Será que Vinícius gostava de Matisse? Dê uma olhada em ambos aí em baixo e tire suas próprias conclusões...

(aí embaixo, Vinícius de Moraes com sua aquarela e "Interior com Violino", de Matisse.)

domingo, 23 de agosto de 2009

A Volta do Comentários

A quem interessar possa, os comentários estão de volta ao blog! Não abaixo de cada postagem, mas no topo da barra à esquerda.

Fiquem a vontade...

sábado, 22 de agosto de 2009

O velho Lobão

Esses dias parei pra ver o "Gordo Visita", na MTV (programa em que o João Gordo vai à casa de artistas, ou quase) na casa do Lobão. É, aquele Lobão ex-baterista do Blitz, ex-presidiário, ex-quase tudo (menos ex-rock and roll) e apresentador da própria MTV.

O programa é até interessante. É do estilo mostrar-casa-entrevistar-artista, mas com o João Gordo no lugar da Angélica, uma troca bastante desvantajosa em estética, mas muito proveitosa em Q.I. Além disso, muita gente que, imagino, não receberia a Angélica, como o Lobão e o Marcelo Tas, acaba recebendo o João Gordo.

A conversa entre os dois, Gordo e Lobão, caiu logo em música e em rock and roll. Estavam ali dois símbolos de uma geração iconoclasta, chuta-tudo e rock and roll, coisa que fizeram muito bem na época. Mas quando o assunto foi música nova, ou melhor, a "nova MPB", senti uma diferença no ar.

Sobre esse assunto o punk João Gordo resume: nem conheço, nunca ouvi e acho uma merda. Em dado momento ele disse que achava Oasis uma novidade. Perfeito! Ele é punk, é Ratos de Porão, e não tá nem aí pro resto, nunca ouviu e acha uma merda. Atitude punk, sem dúvida. Já o Lobão mostrou que conhecia o assunto.

É claro que o Lobão também achava a nova MPB uma merda, a começar pelo rótulo (esse nome é uma merda mesmo), mas principalmente o resgate dos novos cantores dos caras antigos. Segundo ele, Noel Rosa já era uma merda em 1930 e relido então virou uma merda e meia. A "nova MPB" estaria piorando as coisas resgatando a merda ("merda" é palavra dele) quando "o legal é o rompimento". Essa frase dele me encucou.

Diferente do João Gordo, me parece que o Lobão não soube envelhecer. João Gordo diz o que acha legal, mas não dá conselhos. Ao dizer "o legal é o rompimento" como um desejo de como gostaria que se portasse a nova geração, o Lobão Mau vestiu as roupas da vovó, sem enxergar inclusive que há sim, um rompimento no resgate. O resgate de Noel Rosa é, claro, um rompimento da geração atual com o próprio Lobão que não percebeu que passou a ser a referência, de rompedor a rompido, de vanguarda a retaguarda. Ao contrário, se a vanguarda atuar conforme o estabelecido (o Lobão), não há rompimento, e o legal da vanguarda não é romper, mas irritar o estabelecido Lobão. O que parece que está acontecendo...

Evidente que nunca ouvi o Lobão falar bem de alguma coisa, nem quando ele era vanguarda, nem quando virou referência. E é claro que isso é uma interpretação totalmente minha. Agora, acho que essa opinião o denunciou, como se depois de comer a chapeuzinho o Lobo Mau tivesse esquecido de tirar as calçolas da vovó...

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Cristóvão Colombo

Fiquei devendo a opinião sobre "Cristóvão Colombo", de Júlio Verne, o livro fininho que eu li durante a viagem pra Europa. Na verdade ele não resistiu nem à Itália, de tão fininho que era. E pra dizer a verdade, não empolgou...

A assinatura de Verne me dava a idéia de uma narrativa emocionante sobre as fantásticas viagens de Colombo(ao estilo "Viagem ao Centro da Terra" - que eu não li), mas o livro é bastante descritivo: no dia tal Colombo saiu de casa, no dia tal chegou na América. Alguma história apenas durante seus julgamentos na Espanha (o famoso episódio do "ovo de Colobo"). De resto, um currículum vitae completo do descobridor.

Uma outra coisa me chamou muito a atenção: Júlio Verne era absolutamente vidrado na figura do navegador, e deixa isso bem claro. Durante as viagens, Colombo era
responsável por tudo o que dava certo e absolutamente inocente de tudo o que dava errado. Pelo menos para Júlio Verne. As acusações que sofreu durante se governo nas cidades fundadas eram "falsas traições", suas mentiras aos marujos durante as viagens eram "hábeis diplomacias" e sua incapacidade de, como os outros navegadores, guiar-se pelas estrelas, é apenas uma particularidade menor compensada pela extrema bravura do capitão. Se fosse o Cabral...

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Millôr Fernandes

Reproduzo aqui um maravihoso texto de Millôr Fernandes sobre o ator e humorista português Raul Solnado, que faleceu essa semana. Millôr, que segundo Raul Solnado é "o maior humorista do mundo", de quem sou um baita fã e cujo blog está aí ao lado nos favoritos, mostrou que não é só o maior humorista do mundo. É um baita dum poeta também...

O texto, antigo, foi republicado na coluna do Millôr na VEJA dessa semana e eu o retirei de um blog cujo link está abaixo.

RETRATO EM 3x4 DE ALGUNS AMIGOS 6x9


RAUL SOLNADO — COMEDIANTE

Luar surgindo a oeste no primeiro nome, sol a leste, no segundo, Raul tem 24 horas no onomástico. Nasceu num tempo em que tudo era ao vivo, mas, atento à tecnologia, fez-se logo carbono do ridículo, depois xerox do desprezível, afinal fax do presunçoso – e já tem para a holografia alguns truques humorísticos na manga. Lhe ensinaram que a vida é curta, por si mesmo percebeu que a vida é perto. E quando aprendeu que a vida é transmissível por via sexual sentiu logo enorme sentimento de culpa por seus gozos. Mas, com filhos em dois continentes, condena a incontinência. Feminista, finge de machão, na esperança de ser catequizado. Pra ele, homem e mulher continuam a ser círculos concêntricos num momento de tantos círculos excêntricos. Pois o homem pode ser o lobo do homem mas é, definitivamente, o poodle toy da mulher.

Generoso nato, nasceu mignon como solução para o problema demográfico – se todos fossem assim, caberia mais gente no mundo. Mas lembra que, com o mesmo material, Deus poderia fazer um homem bem melhor, aqui assim, nos ombros. Nasceu em Lisboa e, sem sair de Lisboa, vive hoje em Lismelhor. Português desde sempre, aceita o fado, mas nem tanto o destino. E depois de tudo o que aconteceu em Portugal ficou tão antimilitarista que não topa nem conversas generalizadas. Prudente, quando entra em enrascada o primeiro que faz é perguntar onde fica a saída. Gosta de ser considerado impagável, mas nunca na bilheteria. Tem extraordinária expressão corporal, toda no espírito. Decidido, quando vê uma bifurcação imediatamente segue os dois caminhos. Mas nunca foi sem voltar, daí o segredo de estar sempre. Menino-prodígio, aproveitou essa dádiva e reservou uns dias de infância para os anos de hoje. Ri pouco, faz rir muito, fala envolto num crepom de malícia, e todo o seu humor é anfiguri. Dentro de sua alma vibram jograis, saltam andarilhos, vivem polichinelos, cantam bufões, se escondem saltimbancos, bobos, truões, entremezistas, patuscos e pelotiqueiros, todos os palhaços do rei – de cuja sabedoria ele se apropriou pra ser o rei dos palhaços. Pois, pra ele, fazer rir é fácil – escapar com vida é que são elas. Acha que o teatro e a televisão se incompletam e o teatro é melhor, pois ninguém tem a coragem de desligá-lo no meio da piada. Acredita que o humor desarma o espírito, mas não tanto que possa desarmar Saddam Hussein.

Mas, depois de 100 milhões de Homo faber, 10 milhões de Homo sapiens, está certo de que, se o mundo não estourar no Golfo, chegou enfim nossa hora, a hora do Homo ludens.

Uma frase perdida: "A vida é sempre em volta". A pergunta metafísica: "Que fazer do homem que não gasta o destino?". Uma dúvida de fé: "Se Deus existe, por que nunca veio ver um meu espetáculo?". Epitáfio proposto: "Agora já é tarde".

E aí está o Raul feito e medido. Do Solnado eu nem falo.

Escrito em 30/6/84

P.S.: Raul foi meu amigo a vida inteira. A dele. Traidor, continuo na minha.

http://arquivoetc.blogspot.com/2009/08/millor_15.html

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

PapaKikito

Cinema não é o meu forte. Por vários motivos, que obviamente não tem nada a ver com a maravilha que o cinema é. Agora, pra certas coisas não precisa ser especialista...

Os filmes da Xuxa são uma merda. Conseguem ser piores que os do Didi, o que é uma façanha. Isso todo o mundo concorda né? Bom, parece que nem todo o mundo...

Não é que ontem, a Rainha dos Baixinhos, recebeu um KIKITO especial no festival de Gramado? Bom, eu achava que o festival de Gramado era alguma coisa séria, mas agora já mudei meu conceito.

E o que é pior, a tonta ainda deu "xouzinho" no discurso de agradecimento. Eu confesso que já houve momentos em que oscilei minha opinião entre "a Xuxa é uma completa imbecil" e "ela tem alguma personalidade". Mas isso foi a muito tempo, e eu já não tenho dúvida que ela é mesmo uma imbecil. Quer dizer, era imbecil da última vez que eu vi um programa dela, faz uns 5 anos... Hoje nem sei, mas pelo visto só piorou.

Tá aí o link com a prova do crime.

http://cinema.cineclick.uol.com.br/noticia/carregar/titulo/rancorosa-xuxa-ofende-gramado-eles-tiveram-de-me-engolir/id/23752

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Vossa Excelência é um safado.

Durante as brigas do senado dessa semana, além do "seu coronel de merda" do Renan Calheiros e da cantoria do Suplicy, Fernando Collor patenteou mais uma das frases de efeito que sempre aparecem nos quebra-paus por lá: "engula essas palavras e as digira como achar conveniente". Tudo isso com olhar de assassino em série. Eu adoro essas frases. Sempre que sai uma nova eu passo semanas repetindo o jargão. Não tem gente que repete as frases da novela? Eu repito as do senado... Ora bolas. E antes de falar mal de mim, engula essas palavras e as digira como achar conveniente.

O mais legal é que, como todo o mundo sabe, vale xingar o dito, a mãe do dito, o filho do dito, mas não pode esquecer do "Vossa Excelência". A lista é longa, desde o "imexível" do Antônio Rogério Magri nos idos tempos de 90 e sei lá quando (nem sempre são xingamentos, mas a maioria é). Minha memória não chega a tanto e fica nos últimos tempos (quantos exemplos perdemos...), mas eis aqui o meu TOP 5 das frases melhores frases de Brasília.

5º: "As engula (essas palavras e o nome do Collor) e as digira como achar conveniente" A frase da semana do ex-presidente Collor para o Pedro Simon. Agora, se o Simon digerir o nome do Collor, além de ter dor de barriga, vai definitivamente transformá-lo em merda. Tô certo?

4º: "Eu estou me lixando para a opinião pública", disse o relator Sérgio Mendes (PTB-RS) ao arquivar os processos contra Edmar Mendes, o "deputado do castelo", no conselho de ética. Até hoje, sempre que um aluno reclama da minha aula eu tomo as palavras do ilustre deputado e me lixo para a opinião pública também.

3º: "Vossa Excelência recolha-se à insignificância de Vossa Excelência" bradou Severino Cavalcanti durante seu período de presidência na Câmara. Dizem que na época do mensalão, o movimento de impeachment do Lula não foi adiante porque, com o vice Zé Alencar doente, a presidência podia cair no colo do Severino. Ia ser pior...

2º: "Vossa Excelência é feia". Segundo Clodovil, a deputada Cida Diogo (PT-RJ) não precisava ficar ofendida com a afirmação de que as mulheres de hoje trabalham deitadas e descansam em pé. Não era o caso dela, por falta de interessados.

1º: "Vossa Excelência é um safado", do deputado Mário Couto (PSDB-PA) é, para mim, a maior frase da república, daquelas que exprimem todo o sentimento de um país. ABL para o Mário Couto, já! Ou troféu imprensa! Ninguém definia o Brasil tão bem desde que Manoel Bandeira disse que "é um país cheio de árvores e gente dizendo adeus."

sábado, 8 de agosto de 2009

Suplicy - Au Au

Quando do assassinato do prefeito de Santo André, Celso Daniel, em que o P.T. estava obviamente metido e que nunca foi explicado, o senador Eduardo Suplicy saiu de casa em casa nas vizinhanças do prefeito perguntando pras pessoas se elas sabiam de alguma coisa. Ele até conseguiu algumas informações que, claro, não deram em nada, mas a atitude era, no mínimo, curiosa. Podia ter um pé na determinação e outro na maluquice, mas revelava um homem que acreditava no que fazia. Por isso votei nele sempre que pude depois disso.

O tempo passou e o Suplicy continuou cada vez mais maluco. Se já não bastasse ser ex-marido da Marta e pai do Supla, ainda começou a namorar a Heloísa Helena!!! O CQC descobriu o filão de piadas e nunca mais saiu do pé do coitado. Mas, de todo o jeito, o doido foi tocando os mandatos com o jeito Suplicy de ser.

Acontece que agora ele resolveu bater os próprios recordes. Depois da tal "viagem para o Iraque" cujo vídeo ele tanto insistia para que o Danilo Gentilli assistisse, resolveu tirar um tempinho da sessão do Senado, bem no meio do quebra-pau sobre as maracutaias do Sarney, pra cantar uma música em homenagem ao dia dos pais. Em inglês, ainda por cima!

Eu fico imaginando o que devem ter pensado os exaltados senadores da república neste momento. O Renan Calheiros que quase havia saído no tapa com o Tasso Gereissatti (seu coronel de merda) se tivesse uma camisa de força enfiava o Suplicy dentro. E o Collor? Deve ter pensado "engula essa música do Cat Stevens e a digira como achar conveniente". Já o Sarney pensou: graças a esse maluco não serei a notícia do dia!

Eu queria colocar aqui o vídeo do Suplicy cantando, mas na busca achei uma outra presepada do mesmo, recitando Racionais MC na discussão da proposta de redução da maioridade penal. É tão cômico que ele mesmo começa a dar risada...

Acho que o senador anda tirando o pé da determinação e colocando os dois na maluquice mesmo...

ps: Reparem em 1:37 a cara do senador Jéfferson Péres, na esquerda, embaixo. "Mas iso aqui é uma piada mesmo..."



sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Novas boas novas

Depois da pequena pausa de férias e por causa da gripe suína (para evitar a aglomeração das milhares de pessoas que vem aqui ler as bobices que eu escrevo), eis que o Gorila Albino dá as caras (ou os focinhos) novamente.

Os primeiros pedidos, e a primeira intenção, era o evidente diário de viagem começado nos últimos posts. Claro que, se da viagem para Machu Picchu eu escrevi um texto por dia, não ia escrever 25 textos da travel européia que foi bem mais longa. Pensei então em escrever um por cidade: 10 textos. Depois de uma semana colocando fotos no orkut, acho que até eu (e vocês) estão meio cansados do assunto. Então vou falar de outra ciosa. Pronto!

Logo de cara, com poucos dias de Brasil-sil-sil, tive uma boa
notícia: saiu a data da minha apresentação no D.O.C.O.M.O.M.O., maior congresso brasileiro de arquitetura moderna: 2 de setembro, no Palácio Gustavo Capanema, antigo Ministério da Educação e Saúde. Esse prédio, o "Ministério", é obra de um time formado por Lúcio Costa, Carlos Leão, Affonso Reidy, Ernani Vasconcelos, Jorge Moreira e Oscar Niemeyer, e ainda conta com murais de Portinari e jardins de Burle Marx. Como se não bastasse, a trupe foi buscar orientações com Le Corbusier, que deu acessoria a um risco inicial posteriormente modificado, inclusive porque era para um outro terreno.

Tá, mas e daí? Bom, em primeiro lugar é muito legal que um encontro sobre arquitetura moderna aconteça dentro do primeiro edifício modernista do mundo (é esse prédio aí do lado). E público, ainda por cima! Esse prédio é tão importante para a história da arquitetura que dentro do próprio congresso haverão apresentações sobre ele. Em segundo lugar, o tema da minha apresentação é justamente uma obra do Le Corbusier, o consultor. Isso sem falar que os grandes nomes da arquitetura acadêmica do Brasil estarão nos auditórios. Eu mesmo entrarei no auditório principal (para 400 pessoas) depois da Profa. Ruth Verde Zein, diretora do programa de pós-graduação do Mackenzie e um nome forte por todo o país. Depois da Ruth, Rogério...

Essa é a boa nova. Estou feliz!