quinta-feira, 2 de abril de 2009

Santo Forte

Sou uma pessoa tranquila, quase sempre. Minha tranquilidade algumas vezes beira a irresponsabilidade. O bom disso tudo é que, apesar da minha irresponsabilidade, meu santo é forte! A minha viagem pra Machu Picchu foi um exemplo de irresponsabilidade bem sucedida. E o ano em que eu repeti de ano, e depois não repeti mais, na faculdade, é um outro bom trabalho do meu anjo da guarda, ou de São Longuinho, o santo protetor dos distraídos.

Por exemplo. Mês passado voltei ainda mais uma vez para Florianópolis para entregar os volumes finais da minha dissertação (e ainda voltarei mais uma vez para pegar o diploma). O problema é que eu precisava coletar diversas assinaturas antes de fazer a entrega e nem me preocupei em verificar com antecedência seu iria encontrar os professores que precisava naquele dia na faculdade. Apareci, simplesmente. E nem ficar para o dia seguinte eu poderia, já que tinha compradas as passagens de avião.

Foi aí que a Adri, a secretária do curso me disse:

- Será que você consegue todas as assinaturas hoje?
- Calma Adri. As coisas sempre dão certo.
- Você confia na sorte eihn?
- Até hoje sempre deu...

Resultado, todos os professores apareceram e eu fui um dos únicos a entregar com todas as assinaturas em todos os volumes.

Obrigado, São Longuinho!