terça-feira, 2 de setembro de 2008

Livros

Este é uma das minhas aventuras de rodoviária. Porque não tem lugar melhor pra comprar livros do que rodoviária, ou aeroporto, ou estações em geral. É porque você, normalmente, está com tempo, esperando, entediado. Daí dá pra perder um tempo despreocupado olhando e namorando os livros, compra, senta e lê ali mesmo.

Comprei "Eu sei que vou te amar", do Arnaldo Jabor, faz uns meses, na Barra Funda, e li sem dificuldade. O livro é leve e bem cinematográfico (inclusive, virou filme), como é de se esperar de um cineasta feito o Jabor.

Um casal, três meses depois da separação, volta a se reencontrar. Aparentemente ambos estão bem, seguros e superaram o fim do relacionamento, mas a conversa entre os dois começa a revelar que nem todas as cicatrizes estão bem fechadas. Começam então a discutir a relação - ou a separação - revelam segredos e os conflitos de serem adultos liberais e desapegados, mas ao mesmo tempo dependentes e infantis.

Não é um livro de auto-ajuda. Não ensina nada sobre casais, nem como resolver a sua relação. Na verdade, desmistifica o amor, mais complica do que explica. Mas é inevitável se enxergar um pouco numa situação que poderia estar na biografia de qualquer um.

Enfim, me perdi na descrição do livro. Se quiser saber o final da história, é melhor ler você mesmo...