terça-feira, 26 de agosto de 2008

Floripa

Fui viajar! Tive duas reuniões em Florianópolis, uma na sexta e´uma na segunda, com um conveniente fim de semana entre elas. Mas não se animem, o tempo estava péssimo e nem deu praia.

Se a cidade de São Paulo é, para mim, como um pai, Prudente é como uma mãe e Londrina é a primeira namorada. Agora, Floripa é aquela mulher maravilhosa e intangível que, um dia, sem mais nem menos, resolve te pegar numa festa. E é fantástico...

Foi uma viagem bem curiosa, cheia de encontros. De reencontros com pessoas queridas. Entendi que, no dia da minha defesa da dissertação, que deve ser em outubro, vai acabar um capítulo da minha vida que começou no dia 28 de fevereiro de 2006, o dia em que cheguei em Florianópolis com duas malas e um violão, sem conhecer ninguém, sem casa, sem nada. Mesmo depois, voltando para Prudente, trocando de emprego, e todas as outras coisas que vivi nesse tempo, fizeram parte de um mesmo ciclo que agora chega aos finalmentes.

Um novo capítulo se abrirá, e essa minha viagem abriu a última folha deste que se encerra. O reencontro com Florianópolis. Tá, não deu pra reviver o turbulento romance com essa mulher maravilhosa.

Mas deu pra lembrar do perfume.