quinta-feira, 17 de julho de 2008

Poema

Nos lugares em que te procuro
Não estás.
Em nosso quarto
Em nossa sala
Na varanda, nada
Nada.
Nos lugares que eram nossos
Não estás.
Há um rastro de ti nos parques
Um perfume nas escadas
Uma presença nos cafés
Não estás.
Cruzo a rua, te examino
Te investigo o fundo dos olhos
Não estás.
Estás apenas em mim
E assim, estarás inteira
E assim estarás pra sempre
E assim estarás, enfim.