quinta-feira, 8 de maio de 2008

Professor Rogério - Consultoria sentimental-futebolística

O amor é uma caixinha de surpresa e o futebol é cego. Todo o mundo sabe que não há nada mais parecido com o amor do que o futebol, e nada mais parecido com o futebol do que o amor. O torcedor é um exemplo, e torcer para um time de futebol é como amar alguém: você começa a ver um jogo aqui, outro ali, não liga muito, e quando vê está de camisa, faixa e bandeirinha xingando o juiz na arquibancada, completamente doente.

Uma conquista amorosa, por sua vez, é como uma partida completa. Tem hora de atacar, tem hora de se defender, mas quase sempre não adianta nada ficar tocando de lado: o que vale é bola na rede. E há também o gol contra, que é quando você, sozinho, dá conta de estragar o resultado do seu time ou, no caso, o seu próprio.

Assim, está aberto o meu Consultório Sentimental-Futebolístico que resolverá os questionamentos dos leitores pela psicologia da pelota.

Apita o árbitro! Estááááá valendo...