domingo, 11 de maio de 2008

Consultoria sentimental-futebolístico

Esta semana o leitor Maurício escreveu uma carta dizendo que sua esposa está, bem, "saltando" a cerca, mas que mesmo assim não quer terminar o relacionamento e pergunta o que fazer.

Caro Maurício. Sabemos que só existe uma possibilidade de um jogador atuar por dois times diferentes ao mesmo tempo: ele foi convocado para a seleção. Então, é preciso que você saiba, exatamente, por onde é que sua mulher anda jogando por aí.

Caso ela esteja trocando o seu timinho pela seleção brasileira, não há o que fazer. Todos reclamam mas é regra da FIFA, foi convocada, já era. Neste caso, por seleção brasileira consideramos o Chico Buarque, o Antônio Fagundes ou o Reinaldo Gianechinni. Não há o que fazer, sinto muito.

No entanto, ela pode estar trocando a sua camisa pelo time do vizinho, ou um time do mesmo nível ou até, isso é possível, um timinho mais fraco que o seu. Os motivos podem ser vários. Ou os outros cartolas ofereceram um salário maior (é o mais comum) ou então o time de lá joga mais que o seu... De qualquer forma, só há uma coisa a fazer: jogador rebelde fica na reserva. Comece tirando dos jogos principais, depois tire do treinamento. Se ela amar a sua torcida vai correr em dobro pra voltar pra campo, se não, vai pedir pela imprensa pra ser vendida e daí meu amigo, bom, daí é adeus mesmo...