sábado, 26 de abril de 2008

Mulato

Antes da vida, quando eu era apenas éter
Pedi aos superiores
Nascer grande como uma montanha
E negro como um buraco
Com cordas vocais estupendas
E um apelido no aumentativo
Ou então
Claro de pele e de olhos
Cavaleiro de competição
Criador de cavalos de raça
Ou ágil como uma lebre
Ou firme como uma rocha
Esperto como uma raposa
Ou leve como a preguiça
Sensível como um poeta
Ou duro como um engenheiro alemão.
Entendi a boa intenção
Nasci do jeito que sou
Brasileiro, um pouquinho de tudo
E nada lá muito bem feito...

quarta-feira, 23 de abril de 2008

Fragmentos

- A que horas, professor?

- Eram aproximadamente 22:00 horas. Eu entrei, vi um corpo no chão e corri em direção até ele.

- Mas o senhor disse que ele se movia. Como é possível?

- O delegado já ouviu falar em Galileu?

terça-feira, 22 de abril de 2008

Homem-Man 2



ps: a imagem está ruim, eu sei. não estou conseguindo resolver isso...

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Fragmentos

O cavaleiro-cara-de-dragão, apesar de valente, era tão feio que nem mesmo este seu apelido parecia merecê-lo. Certa vez cruzou as muralhas para enfrentar um dragão (um dragão de verdade) que era tão bonito (para um dragão) que era chamado de dragão-com-cara-de-cavaleiro. Durante a terrível batalha, eram os dois tão parecidos que mal se podia saber quem era um e quem era o outro e, lamentavelmente, ninguém nunca soube ao certo quem matou quem.

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Gadgest

Se foi-se o tempo em que nós podíamos viver sem um computador (exagerando...), também foi-se o tempo em que o computador era um troço único em que só se ligavam monitor, teclado, mouse e, olha lá, uma impressora. Hoje em dia, a coisa complicou ainda mais e se o computador é praticamente um nosso apêndice, os apêndices do apêndice vão se multiplicando todos os dias. Veja a minha mesa de trabalho, por exemplo.

Já tive um scanner que quebrou e a impressora está em rede ligada a um outro computador. Então nem vou contá-los. Da linha tranqueiras de fato, a primeira coisa que liguei aqui foi o microfone, no meu caso, um microfone MESMO, desses de cantar (eu não tinha microfone pra computador). Com isso dava pra conversar com som pelo MSN ou Skype, coisa que eu dificilmente faço. Um pouco depois, uma webcam. Na verdade é uma câmera pequeninha que também é uma webcam. Daí tem a câmera digital cujo cabo está sempre conectado esperando pra baixar as fotos. Já são 3!

Não acabou, depois teve o pen-drive, que às vezes levo comigo, mas normalmente fica grudadinho ali, disponível. Acabou? Não! Tem também o fone de ouvido que, no caso, é um fone-de-ouvido-microfone, desses tipo telefonista. Chegamos a 5 utensílios!

Mas eis que temos mais um. Meu brinquedo novo, um "tablet", uma prancheta de um palmo de largura por meio palmo de altura com uma caneta e um mouse sem fio, próprios pra desenhar no computador (a caneta, o mouse eu não sei bem pra que serve). Mais uma portinha USB, mais coisa em cima da mesa.

E por fim, é claro, meu mais querido aparelho-ocupador-de-mesa. Meu radinho AM tá sempre aqui do lado, mas ele não se liga no computador. Ele é das antigas...

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Diálogo

- Se eu não te escrevesse cartas de amor, você iria me amar mesmo assim?

- Continuaria te amando do mesmo jeito.

- E se eu tivesse mais 10 kg?

- Te amaria.

- E se eu não gostasse de cachorro?

- Ainda assim, te amaria.

- E se eu odiasse cinema?

- Te amaria. Te amaria de qualquer jeito.

- Hum.

- E você? Se eu não te fizesse canções você me amaria?

- Não. Não seria você...

sábado, 5 de abril de 2008

quarta-feira, 2 de abril de 2008

O resultado

Acabou a saga. Foi tão rápido. Eu mesmo achei que fosse demorar mais.
Habemus quadro! Está terminando de secar. Depois é só colocar na parede. Não sei se a foto está muito boa, mas acho que dá pra enxergar:


Ainda falta um título. Eu já pensei em um, mas não gosto de ficar nomeando as coisas que faço. Se alguém tiver uma sugestão...