sexta-feira, 28 de março de 2008

Fragmento

O navio atravessava tempestades constantes, e o capitão coordenava as ações com mão de ferro. Tufões, furacões, ondas gigantes, não havia tempo para discussões, todos lutavam dia e noite contra os perigos do mar. Quem mais nos poderia liderar nestes dias de terror? No entanto o capitão, o líder aclamado e atendido, lançava o navio sempre em direção aos ventos, salvando sempre a tripulação dos maus momentos que ele mesmo criava. Mas um dia o navio desviou-se da rota, sem querer, desviou das tormentas e atingiu regiões de mar calmo e bons ventos. Todos os tripulantes comemoraram e descansaram suas forças o quanto quiseram. Os ventos eram tão bons, o trabalho era tão pouco que em um mês, fartaram-se. Em dois meses, entediaram-se. No terceiro, enforcaram o capitão.

quinta-feira, 27 de março de 2008

Tema


Está decidido.

Será um auto-retrato. Mas será um auto-retrato do meu jeito.

Eu ando precisando mesmo de um auto-retrato...

terça-feira, 25 de março de 2008

Nota sobre o post anterior

Reparem a foto da alternativa "a" e a foto do gorila albino no lado esquerdo.

Alguma semelhança?

segunda-feira, 24 de março de 2008

Possibilidades

Enquanto eu não compro a tal da tinta e o tal do "Godê", já posso ir pensando em duas questões importantes: 1º. O que diabos eu vou pintar. 2º. COMO diabos eu vou pintar. Hoje vamos pensar sobre a primeira pergunta. Seja lá qual for o meu "tema", não será naturalista, inclusive porque eu não sei. Mas desenhar retratos, a meu modo, eu sei. Vide o "quadro de cachorro". Vamos lá. Eis as possibilidades:


.........
a) Auto-retrato ......b) Geométrico .....c) Imagem com Palavras

.... .......
d) Natureza Morta ..e) Releitura ........ f) Outro cachorro

Enquanto penso, vou comprar as tintas e cuidar da vida...

sábado, 22 de março de 2008

Material

Consegui a lista de material de pintura suficiente para que eu comece a minha empreitada:

Tintas (19 cores)

Branco Titânio (médio)
Amarelo Cromo claro
Amarelo Cromo médio
Amarelo Cromo médio
Alaranjado
Alaranjado de Cromo
Vermelho Chinês ou Francês
Carmim
Ocre Amarelo dourado claro
Ocre amarelo dourado
Terra de Siena Natural
Terra de Siena Queimada
Azul de Cobalto claro
Azul de Cobalto escuro
Azul da Prússia
Verde esmeralda
Verde Vessie
Van dick ou Sépia
Preto


Material diverso:

Pincel amarelo (Tigre) ref. 815 nº 16, 14, 12, 10, 8, 6, 4, 2, 0
Godê (???) duplo
Querosene
Paleta quadrada
Caixa de pintura
Panos para limpeza

obs: O próximo passo é saber o que é um Godê!

terça-feira, 18 de março de 2008

De que forma poderia te indicar o fio

Te entregar a ponta do novelo que desfaz o labirinto?

Sinto, mas sou todo trança e enrosco

Seguindo por caminhos em que jamais estive

Tentando a qualquer custo me perder.

Jamais traria um novelo

Não pensaria em voltar

Só passos, nem pedras, nem pão

Não cheguei a me preocupar

Pensava que, afinal de contas, era eu quem te seguia.

segunda-feira, 17 de março de 2008

Quadro de cachorro

.


E como a cartomante lhe fora favorável, repetia a pergunta para ouvir a mesma resposta. Perguntava, tirava as cartas e lhe pagava imediatamente uma nova consulta. A resposta repetida o confortava, e sabemos que as adivinhações tem mais a ver com o presente do que com o futuro.

quinta-feira, 13 de março de 2008

A tela em branco

Talvez por empolgação, talvez por algum outro motivo, não sei, há anos minha mãe comprou uma tela maior do que o costume, de 60 por 80cm. Não é exatamente um mural de Rivera, mas é maior do que as telas pequenas que ela costuma pintar (quando pinta...). O fato é que a empolgação deve ter passado e o que restou foi a tela, a tal da tela, em branco.

Eu só pintei um quadro na minha vida. Ele se chama "Quadro de cachorro". Não porque eu tenha colocado esse nome, mas porque é assim que todo o mundo se refere a ele: aquele "quadro de cachorro". É um autêntico quadro gorilista, um movimento artístico que talvez não seja tão famoso assim já que eu sou o único membro mas que inclui poesia, literatura, pintura, arquitetura e culinária (especialmente pratos com banana). Vale a pena ressaltar que eu pintei o quadro com tintas ressecadas, pincéis duros e em uma tarde, simplesmente atropelando as cores porque não tinha paciência de esperar que secassem (a impaciência é uma característia do gorilismo). Ainda assim, mesmo com esse decepcionante currículum, herdei a tal tela em branco. "Pode pintar se você quiser".

Desde então, estabeleci com a tela, em branco, uma relação de vir-a-ser. Ela já foi tanta coisa na minha imaginação: já foi uma caricatura da Monalisa, já foi uma tela branca de Malevich, já foi uma espiral, já foi pregada, do avesso, na parede. No entanto, ela continua lá, no cavalete, até com o plástico de proteção!!! E nem tintas eu tenho!!! No entanto, todos os dias eu a vejo (ela fica ao lado da minha mesa de trabalho), e todos os dias ela se torna um futuro quadro diferente.

Talvez seja essa a melhor forma de ter vários quadros sem ter nenhum.

Mas, estou decidido a pintá-la. E começarei comprando pincel e tinta! E contarei a minha saga aqui no blog. Passo por passo. Aguardem!

Em breve postarei fotos do meu famoso "quadro de cachorro" que só eu e a Maria Lígia gostamos.

(continua...)

domingo, 9 de março de 2008

War

A Colômbia invadiu o Equador.

A Venezuela entrou na história do lado equatoriano.

O presidente da Venezuela é Hugo Cháves, inimigo de George Bush.

George Bush tem ligações estreitas com o governo da Colômbia.

Hugo Cháves movimentou suas tropas para a fronteira com a Colômbia.

Se houvesse guerra, provavelmente os EUA se envolveriam no confronto, auxiliando a Colômbia, sob o pretexto da "guerra ao terror" das FARC.

Sob o mesmo pretexto, Bush foi procurar o Bin Laden no Afeganistão e acabou encontrando o Sadam no Iraque.

Bush não é bom de mira. Entra em guerra com um e invade o vizinho.

Bush tá doido pra entrar em guerra com a Venezuela.

E a Amazônia é ali do lado.

sexta-feira, 7 de março de 2008

Mr. Wong

Além do controlado dr. Jekyll e do desrecalcado Mister Hyde, há também um chinês dentro de nós: Mister Wong. Nem bom, nem mau: gratuito. Entremos, por exemplo, neste teatro. Tomemos este camarote. Pois bem, enquanto o dr. Jekyll, muito compenetrado, é todo ouvidos, e Mister Hyde arrisca um olho e a alma no decote da senhora vizinha, o nosso Mister Wong, descansadamente, põe-se a contar carecas na platéia... Outros exemplos? Procure-os o senhor em si mesmo, agora mesmo. Não perca tempo. Cultive o seu Mister Wong!

Mário Quintana - O Estranho Caso de Mister Wong

segunda-feira, 3 de março de 2008

A revolução dos bichos



Sabe aquele livro que sempre esteve na sua prateleira mas que sempre ficou pra depois? Tudo bem que o que estava aqui em casa estava todo usado, velho e capenga. Nada convidativo. Mas de qualquer forma, ele sempre esteve por aqui e eu nunca peguei-o para ler. Em uma viagem bem longa que fiz ano passado, a trabalho, passei (e esperei...) por aeroportos e rodoviárias. E não tem melhor lugar para comprar livros do que aeroportos e rodoviárias, vocês sabem... Então, em uma das paradas, entrei em uma livraria na estação e encontrei o tal livro da prateleira. Era a hora! Estou falando de "A Revolução dos Bichos" de George Orwell.

George Orwell é mais conhecido pelo "1984", que ficou ainda mais conhecido depois que o Grande Irmão, personagem do livro que controla toda a sociedade através de telas, câmeras e vigilância permanente até mesmo sobre os pensamentos, inspirou o Big Brother da TV. Porém, 1984 vai muito além disso e é um livro obrigatório.

A Revolução dos Bichos conta a história de uma fazenda onde os animais expulsam o chacareiro explorador e, sob a orientação de um porco sábio (personificação de Karl Marx), instalam no sítio um regime socialista.

Porém, depois de passada a revolução, intrigas políticas começam a dividir os animais. Em busca de poder, os líderes subvertem os princípios da revolução e passam a governar utilizando-se de mentiras, reconstrução da história, propaganda política, perseguições, autoritarismo e repressão, em nome dos princípios revolucionários. Uma caricatura da União Soviética stalinista.

George Orwell foi um socialista desiludido. Depois de apoiar a revolução na Rússia, passou a criticar as formas de governo que se estabeleciam de forma ditatorial e tanto A Revolução dos Bichos como 1984 tratam de a que tipo de futuro essa revolução levaria. Hoje, no século posterior, podemos comparar as previsões de Orwell com o que de fato aconteceu. No ano da renúncia de Fidel, vale a pena tirar esses livros da prateleira.

domingo, 2 de março de 2008

Futebol Fashion Week


.


x

.

.
Hoje é dia de Corinthians x Palmeiras. Eu vou ver o jogo de qualquer forma, mas seria interessante se os times usassem seus uniformes fashion lançados recentemente, roxo e verde-limão.


Seria um jogo histórico. Só seria difícil enxergar a bola...